sexta-feira, junho 02, 2006

FALÊNCIA MÚLTIPLICA DOS ÓRGÃOS

A crise do nosso sistema, escancarado nas últimas semanas com a onda de ataques que a facção criminosa PCC promoveu no estado de São Paulo, é o ápice da degeneração das instituições do país.
Reflete uma realidade mascarada na sociedade, defasada e incapaz de resolver os problemas mínimos que a população, sobretudo pobre, necessita para viver, como salário digno, moradia e educação.
Porém o mais relevante nisto tudo é saber que tanto as esferas municipal, estadual e federal, assim como o executivo, legislativo e judiciário passam pelo mesmo fenômeno, de antipatia, descrença e inúteis.
Os exemplos são cada vez mais claros e evidentes, senão vejamos: Em Passo Fundo, o legislativo municipal é pego de surpresa pela imprensa, flagrados lendo jornal em plena sessão semanal, demonstrando desrespeito a comunidade senão aos próprios colegas de vereança. Os vereadores que deveriam estar trabalhando para a comunidade, elaborando leis, que melhorassem nossas vidas não dão a mínima, preocupando somente em aprovar moções a organizações dos mais diversos setores do município, que tem todo o direito de receber. Passam sessões e mais sessões renomeando ruas, praças, dando medalhas a “cidadãos honorários”, que comparando com as prioridades que a população necessita, não tem significativa importância. Basta perguntarmos aos moradores do Bairro Zacchia que estão esperando que a prefeitura cumpra sua parte na estruturação do bairro recém ocupado o que eles pensam sobre isto.
No Estado o governador Rigotto apresenta uma proposta de reajuste do piso mínimo estadual em míseros 6,67%, vira as costas para os pequenos agricultores e demonstra sua incompetência com as estradas cada vez mais esburacadas. Estas somente ficam transitadas naquelas que estão privatizadas, fortalecendo a política do tem que pagar para andar. A educação sofreu mais um ataque neste ano com a intransigência do governador em manter a política de desvalorização da categoria, da mesma forma que a segurança pública começa a dar sinais que a influencia de São Paulo e Rio de Janeiro.
Já no âmbito federal vimos que a corrupção do governo Lula é a maior que já se registrou na nossa recente história democrática. O tal famigerado “Valérioduto” esganiçou os cofres públicos de uma forma violenta, fazendo com que Geogina Vidor, Juiz Lalau, Collor de Mello são pequenas raposas nesta floresta de leões. O projeto petista era desviar dinheiro público na casa do bilhão, mantendo-se no poder pelo menos em mais quatro gestões. Neste episódio o corporativismo parlamentar prevaleceu entre os pares. Um a um foram sendo absolvidos sob o olhar da legitimidade. O réu confesso do seu crime, João Paulo Cunha, que admitiu que usou o dinheiro do valérioduto, foi amasiado com ampla maioria.
Quando todos os deputados acreditavam que a maré ruim da corrupção estava sendo esquecida, surge mais uma bomba no Planalto Central. Aqueles deputados que posavam como baluartes da moral e da ética e que no início da crise Lula estavam esquecidos dos holofotes da corrupção reapareceram através da operação sanguessuga, que super faturava a venda de ambulâncias para os municípios no interior do Brasil.
Desta vez entrou o que faltava dos corruptos para completar a lista de mais e mais deputados envolvidos em desvio de dinheiro público.
Outra instituição que não tem apoio popular, a Justiça, tratou de manter sua péssima reputação, reforçando a regra de defender os ricos e prender os pobres. O país assistia estarrecida como era a malha de corrupção construída pelo PT em Brasília, e o que mais desejávamos era a prisão para os lapidadores de cofres públicos. A CPIzza chamava os envolvidos para deporem, estes recebiam hábeas corpus preventivo do Supremo Tribunal Federal para que pudessem omitir a verdade e se recusar em responder o que a sociedade gostaria de saber.
Do ponto de vista legal a Justiça estava correta, mas sob o aspecto moral cumpriu um desserviço a população brasileira. Auxiliou para que estes criminosos rissem da cara do trabalhador brasileiro e saíssem completamente ilesos para suas casas, continuando a sua libação particular.
A opinião pública que em nosso país sempre teve uma força importante fora definitivamente jogada no lixo. As cenas a seguir no Congresso Nacional mereciam ser tratadas como um filme de comédia se não fosse uma tragédia. O cinismo e o descaradamento foram marcas assíduas por parte dos interrogados.
Para fechar com chave de ouro, bandidos ligados ao Comando Vermelho no Rio de Janeiro roubam armas do nosso “grande” exército. A única forma que os generais encontraram para que este armamento retornasse aos quartéis foram acordos espúrios com os integrantes desta facção criminosa. O tal Estado de Direito foi mais uma vez ignorado. O pior estava por vir com os últimos ataques do PCC na maior cidade da América Latina. Como uma forma de medir forças com Estado, esta organização do crime desencadeou diversas incursões contra trabalhadores e militares, assassinando inocentes, incendiando ônibus e depredando escolas. A PM sem saber o que fazer e para onde ir, primeiro assassinou outros inocentes. Depois procurou novamente realizar acordos com os bandidos. Um representante do governo, um coronel, uma representante de uma ONG, criada pelos marginais, foram de helicóptero para o presídio em Presidente Bernardes. Chegando lá reuniram as principais lideranças e em troca da integridade física destes e mais algumas dezenas de televisores, para os presos assistirem Galvão Bueno gritar “vai Ronaldinho Gaúcho” a rebelião em diversos presídios assim como os ataques aos militares cessaram.
A pá de cal nesta estrutura toda detonada, foi a inoperância da Polícia, Justiça e todos os Parlamentos, quando da exigência das operadoras de telefonia celular para colocarem bloqueadores de sinal para inviabilizar a ligação de dentro dos presídios.
Significa dizer que mesmo após tudo o que ocorreu, o Estado ainda não consegue barrar a entrada de celulares para os presídios. Seja por conta de acordos que tem que manter, seja por que há policiais e carcereiros corruptos dentro destas instituições penais. O crime organizado cresce aliciando cada vez mais jovens que estão a margem da sociedade, esquecidos pelos vereadores, deputados e governos. Crianças vêem que a única presença do estado nas favelas é a polícia militar, que rotineiramente trucida a população negra e pobre.
Incrivelmente percebermos que as instituições burguesas criadas pela burguesia para combater os trabalhadores, agora se vêm numa esquina perigosa da vida. No Brasil, a única instituição que é reconhecidamente respeitada é o jogo do bicho.
Estamos ou não numa falência múltipla dos órgãos?


Um comentário:

whoami123 disse...

.

We work like a horse.
We eat like a pig.
We like to play chicken.
You can get someone's goat.
We can be as slippery as a snake.
We get dog tired.
We can be as quiet as a mouse.
We can be as quick as a cat.
Some of us are as strong as an ox.
People try to buffalo others.
Some are as ugly as a toad.
We can be as gentle as a lamb.
Sometimes we are as happy as a lark.
Some of us drink like a fish.
We can be as proud as a peacock.
A few of us are as hairy as a gorilla.
You can get a frog in your throat.
We can be a lone wolf.
But I'm having a whale of a time!

You have a riveting web log
and undoubtedly must have
atypical & quiescent potential
for your intended readership.
May I suggest that you do
everything in your power to
honor your encyclopedic/omniscient
Designer/Architect as well
as your revering audience.
As soon as we acknowledge
this Supreme Designer/Architect,
Who has erected the beauteous
fabric of the universe, our minds
must necessarily be ravished with
wonder at this infinate goodness,
wisdom and power.

Please remember to never
restrict anyone's opportunities
for ascertaining uninterrupted
existence for their quintessence.

There is a time for everything,
a season for every activity
under heaven. A time to be
born and a time to die. A
time to plant and a time to
harvest. A time to kill and
a time to heal. A time to
tear down and a time to
rebuild. A time to cry and
a time to laugh. A time to
grieve and a time to dance.
A time to scatter stones
and a time to gather stones.
A time to embrace and a
time to turn away. A time to
search and a time to lose.
A time to keep and a time to
throw away. A time to tear
and a time to mend. A time
to be quiet and a time to
speak up. A time to love
and a time to hate. A time
for war and a time for peace.

Best wishes for continued ascendancy,
Dr. Whoami

P.S. One thing of which I am sure is
that the common culture of my youth
is gone for good. It was hollowed out
by the rise of ethnic "identity politics,"
then splintered beyond hope of repair
by the emergence of the web-based
technologies that so maximized and
facilitated cultural choice as to make
the broad-based offerings of the old
mass media look bland and unchallenging
by comparison."